Aprender e Ensinar, um rio que corre pro mar?

Pensemos num rio cuja nascente timidamente começa a fluir, aos poucos vai traçando um caminho cheio de contornos, sempre atraído por uma força misteriosa. 

O pouco volume de água não oferece resistência à grandes obstáculos, assim, segue continuamente por valas que facilitam seu trajeto.                  

Durante o percurso vai descobrindo e cruzando com inúmeras outras fontes, com as quais se une e como que de braços dados, vão formando um riacho.    

Essa trajetória contínua faz com que tenha contato com toda espécie de ser vivente que por ele busca ansiosamente.

Além disso, alheio a sua vontade, vai despertando sementes antes adormecidas. 

Tanto mais caminha, tanto mais cresce e avoluma. Já longe de seu berço natal, há muitos e muitos quilômetros de distância, o que era apenas um filete, se torna então uma torrente de águas profundas.                                               

Por vezes discreto, rã barulhento quando entre muralhas, mas segue resoluto e caudaloso. 

Traz consigo muitas histórias vivenciadas pelo caminho, agora não há tantas barreiras para desviar, pois a maioria é encoberta por ele. 

Seu destino é certo, vai se encontrar com o mar. 

Ainda conserva sua essência, o gosto adocicado, mas quando alcançar seu objetivo, o sabor já não será o mesmo. 

Do lado oposto, inquieto e assustador lhe espera o mar. 

Esse encontro será inevitável, e heroicamente o rio tentará resistir essa entrega ao mar, mas ele desconhece a intensidade e força de seu receptor. 

As águas do rio continuarão chegando ininterruptamente, e o mar insaciável, irá absorvê-las sem descanso. 

Que egoísta é esse mar! - Poderia pensar o rio... 

É que o rio não conhece a história e nem o destino de seu acolhedor. 

Ele precisa o tempo todo executar uma transmutação, onde água se transforma em vapor. 

Dessa maneira é levado pelo ar e subindo às alturas começa a resfriar. 

Inicia-se então, o milagre da natureza, onde não mais podendo se conter, sobre a terra faz chover... 

E aí já não se sabe, se é o rio que vai pro mar, ou se é o mar que vem pro rio... 

Será que como o rio e o mar, está o aprender e o ensinar?

Não se pode estabelecer os limites onde começa e termina um. 

Porém, assim como eles, temos que aprender a desaguar. 

Conhecimento que não é transmitido, são águas paradas. 

O aprender e o ensinar deve mirar-se na caminhada do rio, não se pode dar mais do que aquilo que se possui. 

Deve seguir assim como ele, de forma gradual, sempre superando a história inicial. 

É verdade que sair em busca dos objetivos, levará a lugares desconhecidos, e corre-se o risco de perder-se de si mesmo...

"Mas não é a vida um campo experimental onde se travam lutas constantes, e nele uma pessoa vence ou é derrotada?"

Lúcia Maria (Autora).

 

Águias e galinhas...
 Deu errado? Assuma! 
Não priorizou, não diga que foi por falta de tempo. 
Chegou atrasado? Assuma que poderia ter saído mais cedo. 
Não cumpriu a meta? Reconheça que você não deu a devida importância. 
Cometeu uma falha e gerou um prejuízo? Assuma e compense os danos. 
Muitos dão desculpas por falta de humildade, orgulho, por não querer dar o braço a torcer ou simplesmente pelo maldito vício de justificar.
PRESTE BEM ATENÇÃO!                
As pessoas admiram muito mais os que reconhecem as suas falhas do que os sabichões que nunca estão errados. 
Essa cultura de dar desculpas é um mau hábito que deteriora a credibilidade, enfraquece a mentalidade e forja um ser humano fraco... Um ser humano fraco será futuro profissional que não serve para ser um bom pai, um bom amigo, um bom marido ou um líder... 
Alguém que possa treinar os seus filhos ou outras pessoas... 
Alguém que através de seu exemplo, possa influenciar outros a se comportarem da mesma forma que ele, para o bem... 
Águias assumem. 
Galinhas dão desculpas.
Você se enquadra com quem?
Você convive com quem?
Lembre-se: Você inevitavelmente é aquilo com que se relaciona...

 

A morte é como arrumar a mala para viajar...

Estradas, atalhos, caminhos, que sempre convidam para caminhar. É bom arrumar sempre a mala e deixá-la na sala, perto do sofá. 

A dor de quem parte é a dor de ver o seu amor esperando no cais... 

A dor de quem fica é a dor de ver o seu amor acenando pra trás... 

Nos versos do compositor encontramos algumas verdades que nos convidam a pensar sobre esse assunto tão importante para todos nós, que é a morte. 

Sim, inevitavelmente chegará a hora da partida.            

E como ninguém sabe o momento que terá que partir, é importante deixar a mala sempre bem arrumada, para não ter do que se lamentar depois. 

Mas, afinal, o que significa arrumar a mala?

Certamente não levaremos roupas, joias, livros, dinheiro e outras coisas materiais. Mas, então, o que arrumar?                            

Talvez fosse interessante começar pelos relacionamentos, compromissos e deveres. 

Nesse sentido, arrumar a mala é arrumar a vida espiritual. 

Como estão os compromissos assumidos? 

Você está dando conta de todos, ou tem muita coisa pendente? 

E os relacionamentos, como vão? Alguém guarda mágoa de você? 

Não importa se com ou sem razão, desfaça esse nó. 

Você sente ódio de alguém? Aproveite o momento e resolva isso. 

Não deixe essa pendência lhe tirar a paz, logo mais. 

Se você tiver que partir de repente, isso estará solucionado, e sua mala estará mais leve. 

Como está com relação aos estudos?Tem aproveitado os dias para iluminar a razão?

Enquanto tem tempo, use-o para adicionar a riqueza do conhecimento à sua bagagem. 

O conhecimento jamais se perde e você poderá fazer uso dele a qualquer momento. 

E o relacionamento com os filhos, pais, irmãos, amigos, vai bem? 

Não ficará nenhum abraço a ser dado, nenhum pedido de desculpas pendente, nenhuma atenção desdenhada? 

As pendências não permitem que a mala se feche adequadamente, e isso pode causar fortes sofrimentos para ambos os lados... 

E a saúde, como está? Você tem cuidado do seu veículo físico como deve? 

Não permita que o descuido lhe arrebate do corpo antes do tempo. Isso lhe traria sérios dissabores. 

Assim, arrumar a mala quer dizer retirar da bagagem espiritual as mágoas, os rancores, a inveja, os ciúmes, os ódios, e outros detritos que pesam sobre a economia moral. É buscar resolver todas as questões que nos tiram a paz. 

É desenvolver laços de verdadeira fraternidade com aqueles que nos rodeiam. 

Os sentimentos infelizes que agasalhamos na alma, contra alguém, nos vinculam a esse alguém, nesta vida ou no além, perturbando-nos e infelicitando-nos. 

Já os conhecimentos, as virtudes e os laços de afeto são excelentes contribuições para a conquista da felicidade. 

Consideremos que o simples fato de viajar para o mundo espiritual não nos liberta das nossas mazelas e não nos retira as virtudes já conquistadas. 

Somos, aqui ou no além-túmulo, herdeiros de nós mesmos. 

Por isso é de suma importância termos a devida atenção para com a nossa bagagem espiritual. 

Viver com sabedoria é não deixar o que pode ser resolvido hoje, para resolver num amanhã incerto. 

Pense nisso, e procure deixar a sua mala sempre em ordem, para o caso de precisar partir sem ao menos poder dizer "até logo"...

 

Sem Reclamar...

Hoje eu não vou reclamar.                                                                                                                          

Hoje eu não vou dar moral para os hipócritas, políticos corruptos e nem pra essa gente metida a besta que se esforça pra tentar fingir que eu não existo.                                                                                                                

Hoje eu não quero saber dos falsos amigos, dos mentirosos e, muito menos, daqueles que medem as pessoas pela grana que possuem ou pelo carro que dirigem. 

São três horas da madrugada e eu só penso em ter mais um dia legal na minha vida. 

Quando amanhecer pode até estar chovendo ou fazendo frio, mas eu quero viver um dia ímpar e plenamente especial.
Quero abrir a internet logo pela manhã e ler uma manchete dizendo que todas as guerras terminaram.                

Quero ouvir no “Bom Dia Brasil” que nenhum terremoto, furacão ou tsunami arrasou a terra, e que mais ninguém no mundo passa fome.                                      

Hoje eu não vou reclamar dessa vida louca, onde as pessoas idolatram o dinheiro e desprezam o amor.                  

Hoje eu quero ir até a padaria e arrancar um sorriso franco da moça do caixa, sempre tão carrancuda e de mal com a vida.  

Quero receber o carteiro no portão da minha casa com a máxima cordialidade, mesmo que ele me traga apenas envelopes com contas pra pagar. 

Quero caminhar pelas ruas e ver as pessoas felizes, andando de mãos dadas, trocando gentilezas e ignorando os preconceitos.

Hoje eu não quero falar das fraquezas humanas e nem das mazelas que contaminam o cerne da nossa sociedade.

Não quero falar e nem pensar nas sacanagens habituais promovidas pelos desonestos senhores e senhoras que nos governam.

Isso estragaria o meu dia. Isso eu não quero.                                                                                           

Hoje eu quero mais do que simplesmente acordar e abrir a janela do meu quarto.                                                      

Hoje eu quero ver garotos jogando bola com os amigos, andarem de bicicleta pelas ruas da cidade e saírem para pescar lambaris num córrego qualquer.

Hoje eu quero esquecer todos os problemas e reunir meus amigos pra fazer um churrasco...                                  

Quem sabe tomar sucos refrigerantes ou café... 

Quero abraçar com força todos àqueles que quiserem estar na minha companhia e sorrir...

Apenas sorrir. Hoje eu não quero reclamar de nada.                                                                                                        

Hoje eu só quero poder olhar para o lado e ter o discernimento de perceber que existem pessoas enfrentando dificuldades muito maiores do que as minhas e, ainda assim se sentem felizes pela vida que têm, por estar vivo e por poder expressar a gratidão por tudo que já conquistaram.                                                  

Hoje eu quero enxergar somente as coisas boas da vida. 

Quero reservar este dia para agradecer ao meu Deus por tudo que Ele tem feito por mim; por tantas pessoas fantásticas que já cruzaram o meu caminho; pela família sólida e exemplar que eu tenho; pelo trabalho digno e honroso do qual provém o meu sustento e por tantas coisas boas com as quais eu tenho sido abençoado e que, talvez eu nem as mereça.            

Hoje eu não vou reclamar. 

Hoje eu tirei o dia apenas para dar amor, caminhar de cabeça erguida e ser feliz...        

Simplesmente, ser feliz.

(Texto de autor desconhecido)...

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!